eventos e notícias

Por que um adolescente quer morrer? Em destaque
São necessários educadores capazes de ouvir, acompanhar e ter a habilidade de olhar para o mundo interior dos adolescentes e jovens

Os educadores do Centro Juvenil Salesiano Dom Bosco, do Alto da Lapa, em São Paulo (SP), organizaram um encontro sobre um tema impossível de ser ignorado: "Depressão e suicídio de adolescentes". O número de suicídios é elevado e cresce rapidamente a cada ano. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que "a cada 40 segundos, uma pessoa tira a própria vida" e que "mais de 800.000 pessoas cometem suicídio a cada ano"; e conclui: "Nos últimos 45 anos, as taxas de suicídio aumentaram 60% em todo o mundo".

 

Para os Salesianos, que trabalham com adolescentes e jovens, a pergunta é concreta e direta: quais os motivos que levam um adolescente a querer morrer? "É uma pergunta difícil, que nos desafia como sociedade, família, instituições, e como estado – explica Sonia Almada, especialista na área - onde estamos, nós adultos, que deveríamos proteger o bem-estar e o desenvolvimento dos adolescentes, mas que não sentimos seu sofrimento, opressão e tristeza?"

 

Em virtude do alto número de jovens deprimidos, que se automutilam ou, em casos extremos, tentam o suicídio, foi realizado o Encontro Sociofamiliar que contou com a participação do Pe. Lício Vale, especialista em suicídio adolescente. Durante a reunião, dialogou-se franca e abertamente com os pais. "Foi um momento rico, porque tivemos a oportunidade de enfrentar vários tabus", comentou Jonas de Camargo, Coordenador-Assistente do Centro Profissional.

 

O Pe. Lício desmistificou os conceitos de depressão, automutilação, intimidação e suicídio, e explicou a razão destas práticas e o papel da família em tais situações. Durante a apresentação, sublinhou três atitudes importantes a serem adotadas em caso de depressão: não julgar, acompanhar e buscar ajuda profissional. "Atitudes como banalizar acerca do que o adolescente está sentindo e agir como se a situação fosse 'normal', só reforçam o momento negativo pelo qual o jovem está passando" – disse o especialista.

 

"Como adultos, precisamos prestar atenção e ter o cuidado de não subestimar as mudanças de comportamento e humor dos adolescentes – explica Celia Antonini –. Quando se trata de suicídio, é preciso, acima de tudo, desmistificar a frase: ‘quem diz que quer se matar não o faz’. Pessoas que se suicidam podem expressar sua intenção ou não”.

 

Nenhum adolescente quer morrer. Se um adolescente se sente irremediavelmente sozinho e sem referência, é porque ninguém o ouviu. São necessários educadores capazes de ouvir, acompanhar e ter a habilidade de olhar para o mundo interior dos adolescentes e jovens.

 

Fonte: ANS